Ibem

 

Ordem do Mérito Dom João VI

 

Medalha do Mérito Dom João VI: Prêmio Nacional da Imprensa Brasileira

Rei Dom João VI: Patrono da Imprensa Brasileira

 

 

 

 

Subir / Topo

 

O Prêmio e o Histórico

 

O Prêmio - O Prêmio Nacional da Imprensa Brasileira - Comenda do Mérito e Medalha do Mérito Dom João VI, foi instituído com o objetivo de homenagear, prestando reconhecimento público ao seu trabalho e às suas realizações, pessoas que, em suas áreas profissionais e institucionais, estão contribuindo  para o desenvolvimento, progresso e aprimoramento do ser humano e da humanidade.

A Imprensa - A transferência da Corte Portuguesa para o Brasil trouxe à então Colônia inestimáveis benefícios, dentre os quais a criação de uma imprensa oficial. Pelo decreto assinado em 13 de maio de 1808, o Príncipe Regente D. João criava a Impressão Régia no Rio de Janeiro, cujo objetivo era de imprimir, com exclusividade, todos os atos normativos e administrativos oficiais do governo. Em 10 de setembro de 1808, é impresso o primeiro jornal no Brasil, chamado Gazeta do Rio de Janeiro.

Primeira página do primeiro jornal impresso no Brasil, a Gazeta do Rio de Janeiro, de 10 de setembro de 1808.

A outorga - Os Conselhos Superiores das entidades: Instituto Brasileiro de Estudos Governamentais (IBEG),  Federação Nacional da Imprensa / Federação das Associações de Imprensa do Brasil (Fenai/Faibra),  Associação Brasiliense de Imprensa (ABI-DF) / Associação da Imprensa do Distrito Federal (AIDF), com a chancela do Instituto Brasileiro de Estudos Monárquicos (IBEM Nacional), indicam ilustres personalidades para serem agraciadas com a outorga da Medalha do Mérito Dom João VI - Prêmio Nacional da Imprensa Brasileira.

Os Agraciados - Em todo o País poucas e seletas personalidades são indicadas para a Outorga do Mérito Dom João VI. Em ocasiões em efemérides propícias também são indicadas ilustres personalidades de outros países. 

As Chancelas - A iniciativa da Fenai/Faibra (Federação Nacional da Imprensa / Federação das Associações de Imprensa do Brasil), com as chancelas do IBEM Nacional (Instituto Brasileiro de Estudos Monárquicos) e do IBEG Brasil (Instituto Brasileiro de Estudos Governamentais),  com os apoios institucionais da ABI-DF (Associação Brasiliense de Imprensa) e da AIDF (Associação da Imprensa do Distrito Federal), tradicionalmente conta com o apoio da Agência Brasileira de Notícias (ABN) e da revista Poder Capital, além de outros renomados veículos de comunicação que prestigiam o importante evento que integra o calendário oficial da Imprensa Brasileira.

O Patrono - A significativa homenagem se presta na figura ímpar do Rei D. João VI, Patrono da Imprensa Brasileira, o segundo filho da rainha de Portugal, dona Maria I, Princesa do Brasil, com seu tio-marido Dom Pedro III.

Dom João Maria José Francisco Xavier de Paula Luis Antonio Domingos Rafael. 

Em 13 de maio de 1767, no Palácio Real da Ajuda, próximo a Lisboa, nasceu aquele que seria um dia dom João VI, tendo por padrinho de batismo o rei da França, Luís XV. Com a morte prematura de seu irmão mais velho, José (1788), passou à sucessão direta do trono português.

Aos 18 anos casou-se com dona Carlota Joaquina, de 10 anos, filha do rei Carlos IV de Espanha. No casamento foram gerados nove filhos, entre eles dom Pedro e dom Miguel, respectivamente soberanos no Brasil e em Portugal.

A enfermidade da rainha Maria I levou-o, em 15 de julho de 1799, ao título de Príncipe Regente, após sete anos de governo como herdeiro da Coroa. Ao saber que as tropas francesas, comandadas pelo General Junot, avançavam pelo interior de Portugal, tomou a decisão de trazer para o Brasil, em 1807, a capital do reino.

(1816-1826: D. João VI a D. Pedro IV) - Só no reinado de D. João VI (1816-1826), quando as invasões napoleônicas forçam a Corte a vir para o Brasil, se inaugura uma nova bandeira: a chamada brasileira. A esfera armilar, um antigo emblema pessoal de D. Manuel e já usado na bandeira das naus da carreira do Brasil, foi apropriadamente acrescentada por este à bandeira real, para simbolizar o Reino de Portugal e Brasil, sendo a coroa colocada em cima da esfera. O escudo volta a ter a ponta redonda, no formato português.

A resolução da transferência da corte para o Brasil manteve intacto o poder soberano dos Bragança, evitando que ocorresse em Portugal o mesmo que na Espanha e em outros reinos, onde os governantes foram feitos reféns do imperador Napoleão. Dom João punha em prática um plano já arquitetado pelo Marquês de Pombal 50 anos antes.

Segundo Maria Beatriz Nizza da Silva é "difícil saber ao certo quantas pessoas aportaram em Salvador e no Rio de Janeiro". A esquadra, composta de 8 naus, 3 fragatas, 2 briques, uma escuna e uma charrua de mantimentos, além de 21 navios comerciais, trouxe a família real, ministros, auxiliares, a corte e tudo que puderam organizar nos dois meses que antecederam a partida de Lisboa para o Brasil.

Chegada da Família Real Portuguesa à Bahia - Portinari - 1952, óleo s/ tela, 47X71cm

Na Bahia chegaram a 23 de janeiro de 1808, onde permaneceram por quase um mês. A estada foi marcada pela assinatura, em 28 de janeiro, da carta régia que determinava a abertura dos portos brasileiros ao comércio exterior. Em 7 de março de 1808 ancoravam na Baía da Guanabara, no Rio de Janeiro, onde permaneceram até 26 de abril de 1821. Iniciava-se uma nova fase na história do Brasil e de Portugal.

A abertura dos portos, o livre comércio, a introdução de hábitos culturais e industriais, a criação de importantes instituições como a Imprensa Régia, a Real Junta de Comércio, e as Academias modificaram definitivamente o perfil do país colônia, com a introdução de novas forças sociais.

A presença da corte portuguesa no Rio de Janeiro alterou o panorama do cotidiano da cidade que expandiu o traçado urbano, introduziu novos estilos arquitetônicos e apresentou à sociedade uma maneira cosmopolita de viver. Entre saraus, festas, apresentações teatrais, efervescia a vida política, social e cultural. De 1808 a 1821 foram recriadas na colônia americana as instituições portuguesas que permitiram o funcionamento do Estado português, confirmando a citação de Oliveira Lima que "o regente e rei D. João VI veio criar e realmente fundou na América, um império".

Bandeira do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve (1816-1821) - Após a vinda da família real para o Brasil em 1808, o Brasil passou por várias transformações, e entre elas, a elevação a Reino Unido. Criado em 1815, o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve só ganhou uma bandeira em 13 de maio de 1816.

Em 1820 eclodiu, no Porto, a revolução liberal que provocou o regresso da Corte em 1821. Dom João VI governou até sua morte no dia 10 de março de 1826, com quase 59 anos. Terminava um reinado repleto de complexos problemas pessoais e governamentais. Ao regressar a Portugal deixou no Brasil seu filho Pedro, que no ano seguinte proclamaria a independência da Colônia.

Dom João VI, o rei que amou o Brasil e lançou as bases para emancipação política brasileira é pouco conhecido de uns e mal compreendido por outros. O marquês de Caravelas, em 1826, discursando no Senado por ocasião da morte do Rei disse: nós todos que aqui estamos temos muitas razões para nos lembrarmos da memória de dom João VI, todos lhe devemos ser gratos, pelos benefícios que nos fez: elevou o Brasil a reino, procurou por todos o seu bem, tratou-nos sempre com muito carinho e todos os brasileiros lhe são obrigados".

 

Subir / Topo

 

 

 

Promoção e Chancela:

 

 

Instituto Brasileiro de Estudos Governamentais - IBEG BRASIL

 

 

Apoio Institucional:

 

Associação Brasiliense de Imprensa (ABI-DF) - Associação da Imprensa do Distrito Federal (AIDF)

 

 

Patrocínio:

 

 

Desde 1924: Agência Brasileira de Notícias - Brazilian News Agency - ABN

 

 

Revista PODER CAPITAL

 

 

 

AVISO IMPORTANTE

Homenagens e Premiações

 

INFORMAÇÃO RELEVANTE SOBRE AS HOMENAGENS E PREMIAÇÕES

A Federação Nacional da Imprensa / Federação das Associações de Imprensa do Brasil (Fenai-Faibra) e entidades parceiras, alertam que em todos os seus eventos de premiações e homenagens, os galardões são concedidos aos distinguidos sem quaisquer tipo de contra-partida e que não são cobradas nenhuma modalidade de adesões, doações e ajudas de quaisquer espécies, em nenhuma hipótese e situação. Fotos e vídeos gravados dos eventos são oferecidos gratuitamente aos homenageados e os mesmos nunca são vendidos sob o pretexto de auxiliar as entidades promotoras. Da mesma forma nunca é solicitado ajuda financeira para divulgação do evento ou do homenageado na mídia.

Todos os homenageados são distinguidos unicamente pelos seus próprios méritos pessoais e profissionais.

Eventuais abordagens devem ser descartada e, se possível, comunicada as autoridades policiais ou a Fenai-Faibra.

 

 

 

 

 

 

 

FALE CONOSCO

SRTVS - ED. PALÁCIO DA IMPRENSA - 2º ANDAR - BRASÍLIA DF

Telefones: (61) 3041-7967 - WhatsApp: (61) 98184-4047

 

linha2.gif (86 bytes)


Subir/Topo